logotipo ence

 

Recomendações.
Tardes Culturais.
v_SEMIC.
Seloge.
Processo Seletivo 2022.
Processo Seletivo 2022.
Livro 20 anos PPG
Núcleo ENCE Covid-19
Agenda de Eventos Externos
SAS
01/10 
start stop bwd fwd

 
 
 
atividades
 
 
ungp brazil hub logo md
 
 
ico rbe.fw
 
 

Defesa de Dissertação de Daniela Andrea Droguett León

 

ESCOLA NACIONAL DE CIÊNCIAS ESTATÍSTICAS

Pós-Graduação em População, Território e Estatísticas Públicas

Defesa de Dissertação

A Escola Nacional de Ciências Estatísticas convida para a defesa da Dissertação de Mestrado intitulada: “Aprimorando estimativas da mortalidade infantil para as unidades da federação no Brasil

Aluna:  Daniela Andrea Droguett León
Orientador: Pedro Luis do Nascimento Silva

Data: 13 de agosto de 2015 – quinta-feira
Horário:  14h00m
Local: ENCE - Rua André Cavalcanti, 106 – Sala 303 – Bairro de Fátima

Resumo da Dissertação: A disponibilidade e qualidade dos dados básicos como registros e censos populacionais determinam os métodos utilizados para a estimação da mortalidade infantil em cada país. No Brasil, o principal método para a estimação das taxas de mortalidade infantil se baseia em estimações indiretas, calculadas pelo IBGE, obtidas através da amostra do censo demográfico e/ou pesquisas por amostragem. As estimativas, pontuais e de precisão, baseadas em pesquisas amostrais - como as geradas a partir da PNAD, são frequentemente acompanhadas de incertezas sobre seus resultados devido ao tamanho de amostra utilizado. Esta incerteza pode ser grande para pequenos tamanhos amostrais, podendo levar a interpretações equivocadas de variações nas estimativas, especialmente quando estas se referirem a domínios de análise detalhados, como é o caso da estimação da mortalidade infantil por estados.  O objetivo desta dissertação é aprimorar as estimativas de mortalidade infantil para as unidades da federação calculadas a partir da PNAD para o período de 2001-2009 e 2011-2013. Para tal, a utilização da forma generalizada do modelo de Fay-Herriot, no contexto de estimação de pequenas áreas, permite o aprimoramento das taxas de mortalidade por introduzir um melhor ajuste das estimativas devido à utilização de informação auxiliar no processo de modelagem. O modelo de Fay-Herriot utilizado incluiu a possibilidade de captar a evolução temporal das taxas e das variáveis preditoras. O resultado deste modelo, aponta a melhorias consideráveis tanto nas estimativas pontuais como nas associadas à precisão das taxas de mortalidade. Neste último ponto, os intervalos de confiança se mostraram menores quando comparados aos intervalos associados às estimativas indiretas da TMI para todos os anos e unidades da federação pesquisadas.

Banca examinadora:
Dr. Pedro Luis do Nascimento Silva (Ence/IBGE) – Orientador
Dr. Cesar Augusto Marques da Silva (Ence/IBGE)
Dr. Fernando Antonio da Silva Moura (UFRJ)

Coordenação de Pós Graduação
SUZANA CAVENAGHI

Endereço: Rua André Cavalcanti, 106 - Bairro de Fátima - CEP 20231-050 - Rio de Janeiro