logotipo ence

 

Recomendações.
Tardes Culturais.
v_SEMIC.
Seloge.
Processo Seletivo 2022.
Processo Seletivo 2022.
Livro 20 anos PPG
Núcleo ENCE Covid-19
Agenda de Eventos Externos
SAS
01/10 
start stop bwd fwd

 
 
 
atividades
 
 
ungp brazil hub logo md
 
 
ico rbe.fw
 
 

Defesa de Dissertação - 31 de julho de 2014 - Marcel Dantas de Quintela

 

ESCOLA NACIONAL DE CIÊNCIAS ESTATÍSTICAS

Pós-Graduação em População, Território e Estatísticas Públicas

Defesa de Dissertação

A Escola Nacional de Ciências Estatísticas convida para a defesa da Dissertação de Mestrado intitulada: “A Pobreza no Nordeste Brasileiro: uma abordagem através dos censos demográficos de 2000 e 2010 ”.

Aluno: Marcel Dantas de Quintela
Orientador: José Eustáquio Diniz Alves
Coorientadora: Denise Britz do Nascimento Silva

Data: 31 de julho de 2014 – quinta-feira
Horário: 10:00 horas
Local: ENCE - Rua André Cavalcanti, 106 – Sala 306 – Bairro de Fátima

Resumo da Dissertação

A pobreza é um fenômeno social que ao longo do tempo agregou em seu conceito as mudanças sofridas pela sociedade. Na atualidade a pobreza é considerado um fenômeno complexo, abstrato e de natureza multidimensional que segundo Rocha(2006a) está ligado a situações de carência dos indivíduos, os quais não têm suas necessidades humanas atendidas de forma adequada. O Brasil é considerado pelo PNUD (2010) um país de elevada desigualdade de renda e pobreza, mesmo com a acentuada queda desses indicadores, estes permanecem elevados sobretudo na Região Nordeste tem sua população marcada por uma história de contrastes entre as riquezas dos latifúndios açucareiros e concentração de altos índices de pobreza acentuados pela severidade da aridez climática (OLIVEIRA, 2009). Para a mensuração da pobreza no Nordeste brasileiro utilizou-se da metodologia proposta por Alkire e Foster (2009) empregada na construção do Índice Multidimensional da Pobreza PNUD/ONU, adaptadas aos dados disponibilizados pelo IBGE através dos censos demográficos de 2000 e 2010. Os resultados apontam para uma redução dos níveis de pobreza multidimensional, proporcionado pela redução da maioria das condições de carência medidas pelos indicadores que compuseram índice, estes por sua vez mostraram transformações das contribuições de seus agrupamentos dimensionais na composição da medida de pobreza. Assim, a dimensão de Educação mostrou melhor desempenho, reduzindo de aproximadamente 22% para 15% seu peso da pobreza multidimensional nos Estados do Nordeste, em sentido diferente das dimensões de Trabalho e Rendimento e das Condições de Saneamento e Habitação registraram aumento em seus pesos relativos, enquanto as dimensões de Bens de Consumo e Acesso à Informação e a de Condições Sociais se mantiveram praticamente estáveis no recorte temporal analisado. Dentre os estados nordestinos, o Maranhão e o Piauí apresentaram maiores níveis de pobreza da região tanto para o ano 2000 quanto em 2010. Quanto a análise em escala municipal constatou-se o mesmo comportamento da perspectiva estadual, registrando melhorias significativas captadas pelas medidas de privação sofridas pela população, contudo através deste detalhamento geográfico foi possível concluir que mesmo com a redução dos níveis de pobreza medidos através de múltiplas dimensões o fenômeno retratado em 2010 se configura praticamente nas mesmas localidades que em 2000.

Banca examinadora:
Dr. José Eustáquio Diniz Alves (ENCE/IBGE) – Orientador
Dra. Denise Britz do Nascimento Silva (ENCE/IBGE) - Coorientadora
Dr. Miguel Antonio Pinho Bruno (ENCE/IBGE)
Dr. Kleber Fernandes de Oliveira (UFS)

Coordenação de Pós Graduação
Suzana Cavenaghi

Endereço: Rua André Cavalcanti, 106 - Bairro de Fátima - CEP 20231-050 - Rio de Janeiro