logotipo ence

 

Processo Seletivo 2022.
Evento.
Dia do Estatístico.
Recomendações.
Seloge.
Processo Seletivo 2022.
Livro 20 anos PPG
Núcleo ENCE Covid-19
Agenda de Eventos Externos
SAS
01/10 
start stop bwd fwd

 
 
 
atividades
 
 
ungp brazil hub logo md
 
 
ico rbe.fw
 
 

Defesa de Monografia da Especialização de Rian de Queiroz Cunha

Pós-Graduação Lato Sensu em Análise Ambiental e Gestão do Território

Apresentação de Monografia

A Escola Nacional de Ciências Estatísticas convida para a apresentação da monografia final do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Análise Ambiental e Gestão do Território intitulada: 

Monitoramento de garimpo ilegal em terra indígena: O caso da Ti Munduruku - PA.

 

Aluno: Rian de Queiroz Cunha

Data: 03 de Março de 2022 – Quinta-feira

Horário: 14h00m

Local: Por videoconferência

 

Resumo: Historicamente, no Brasil, incidem sobre as Terras Indígenas duas perspectivas territoriais distintas e antagônicas: a do Estado desenvolvimentista e a da manutenção de um modo de vida. O primeiro concebe o território de maneira economicista como repositório de mineral e madeira; já para o segundo, o território é meio incondicional de reprodução social e cultural. Atualmente, talvez seja na questão do garimpo ilegal que essa disputa se expresse de forma mais nítida. Estimulada pela inclinação à legalização de atividades econômicas em áreas protegidas e pelo relaxamento da fiscalização ambiental no país por parte do governo, a ação garimpeira vem avançando intensamente sobre as terras indígenas. Essa tendência se intensificou na pandemia e áreas de garimpo ilegal irromperam o território indígena. O sensoriamento remoto teve papel fundamental em acompanhar e monitorar essa difusão, por meio das imagens de satélite. Este trabalho explora essa relação e tem como objetivo avaliar, por meio de técnicas do sensoriamento remoto, se houve aumento das áreas de garimpo em terras indígenas. A área de estudo selecionada para a análise é a TI Munduruku, no Pará, que vem sendo assediada por garimpeiros em busca de ouro presente em seu território. Por meio de imagens do satélite CBERS – 4, de duas datas diferentes (antes da pandemia, em 2019, e no ano seguinte, em 2020), buscou-se identificar se houve mudança na extensão dos garimpos, quantificar a possível mudança e gerar um mapa de uso e cobertura do solo da região. Para isso, é utilizada a técnica de classificação não supervisionada, destacando a classe o garimpo/ mineração. Como resultado constatou-se que as ameaças se intensificaram na região nordeste da Terra Indígena, com significativos avanços da atividade ilegal e ampliação de outras frentes já existentes na área protegida, indicando possível situação de maior vulnerabilidade do povo indígena ao assedio garimpeiro em período pandêmico. 

Palavras-chave: terras indígenas; garimpo; sensoriamento remoto; Covid-19.

Banca examinadora:

Dra. Júlia Célia Mercedes Strauch (ENCE/IBGE) – Orientadora

M. Sc. Darlan Miranda Nunes (UFV)

Dra. Ana Paula Vasconcelos Gonçalves

Gerência do Lato Sensu

Endereço: Rua André Cavalcanti, 106 - Bairro de Fátima - CEP 20231-050 - Rio de Janeiro