logotipo ence

 

Dia do Estatístico.
Recomendações.
Tardes Culturais.
Seloge.
Processo Seletivo 2022.
Processo Seletivo 2022.
Livro 20 anos PPG
Núcleo ENCE Covid-19
Agenda de Eventos Externos
SAS
01/10 
start stop bwd fwd

 
 
 
atividades
 
 
ungp brazil hub logo md
 
 
ico rbe.fw
 
 

Defesa de Monografia da Especialização de Luiza Amaro Pessoa

Pós-Graduação Lato Sensu em Análise Ambiental e Gestão do Território

Apresentação de Monografia

A Escola Nacional de Ciências Estatísticas convida para a apresentação da monografia final do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Análise Ambiental e Gestão do Território intitulada: Monitoramento da biodiversidade marinha como ferramenta de avaliação de áreas protegidas na baía da Ilha Grande  – Rio de Janeiro/RJ.

 

Aluna: Luiza Amaro Pessoa

Data: 16 de Dezembro de 2021 – Quinta-feira

Horário: 10h30m

 

Resumo: Frente as modificações geradas nos espaços naturais as políticas públicas de ordenamento e gestão territorial voltadas para a conservação da natureza ficaram mais fortalecidas nos últimos anos, é nesse contexto que as unidades de conservação começam a ser utilizadas como a principal ferramenta de gestão de áreas com grande potencial ecológico e econômico. Considerando as diferentes riquezas da Baía da Ilha Grande, atualmente é a porção do território com o maior número de unidades de conservação da região sul fluminense, resultando em uma área de alta complexidade territorial, onde suas atividades acontecem nas áreas terrestres, mas também nas áreas marinhas. O presente trabalho teve como objetivo entender como as áreas protegidas, em especial a Estação Ecológica de Tamoios pode corroborar para a conservação da biodiversidade marinha a partir do monitoramento utilizando o mergulho científico. O projeto utilizou a metodologia proposta pelo Reef Check Brasil (Programa de Monitoramento dos Recifes de Coral do Brasil), implementando especificidades da região e fazendo o monitoramento em ecossistemas de costões rochosos. No que tange os resultados obtidos até então, as tendências apontadas pelos gráficos indicam a necessidade de um banco de dados maior para montar análises que possam de fato corroborar com as diretrizes da unidade de conservação. Apesar disso, o caminho até então foi muito positivo, onde o projeto além de apresentar tendências estatísticas abriu infinitas possibilidades de análise e discussões que dialogam com as outras importantes esferas que fundamentam a conservação marinha no Brasil, como a educação ambiental, o estreitamento das relações com a comunidade local, a desmitificação da ciência e a possibilidade de inserir pessoas de fora da academia, mas que possuem forte relação com o ambiente marinho, nas saídas de campo do projeto e nas análises dos dados. De maneira geral os dados apontam para a necessidade da continuidade do projeto e o amadurecimento da metodologia para as próximas etapas, fundamentando discussões sobre a importância de pensar a biodiversidade atrelada aos usos diretos e indiretos dessas áreas, podendo assim pensar um planejamento territorial por uma ótica holística, sendo de fato eficaz e justo ao pensar a conservação dos ambientes naturais.

Palavras-chave: Conservação, biodiversidade marinha, unidades de conservação, planejamento costeiro e mergulho científico.

Banca examinadora:

Dr. Fabio Giusti Azevedo de Britto (CETEM/MCTIC) - Orientador

Dra. Letícia de Carvalho Gianella (ENCE/IBGE)

Dr. Thiago Gonçalves Pereira (UFRJ)

Gerência do Lato Sensu

Endereço: Rua André Cavalcanti, 106 - Bairro de Fátima - CEP 20231-050 - Rio de Janeiro