logotipo ence

 

Tardes Culturais.
v_SEMIC.
Seloge.
Processo Seletivo 2022.
Processo Seletivo 2022.
Livro 20 anos PPG
Núcleo ENCE Covid-19
Agenda de Eventos Externos
SAS
1/9 
start stop bwd fwd

 
 
 
atividades
 
 
LogoHub
 
 
ico rbe.fw
 
 

Defesa de Monografia da Especialização de Armando Brito Da Frota Filho

Pós-Graduação Lato Sensu em Análise Ambiental e Gestão do Território

Apresentação de Monografia

A Escola Nacional de Ciências Estatísticas convida para a apresentação da monografia final do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Análise Ambiental e Gestão do Território intitulada:Ações modificadoras e seus impactos no ambiente fluvial do igarapé do Educandos, Manaus (AM).

 

Aluno: Armando Brito Da Frota Filho

Data: 27 de Abril de 2021 – Terça-feira

 

Resumo: A urbanização no Brasil é intensa e deflagra diversos impactos ambientais, em especial pela necessidade do uso do espaço. Nesse sentido, a morfologia da superfície original é alterada de forma intensa e sem a devida análise previa de suas consequências. Um exemplo dos impactos da urbanização é sobre os rios, que em muitas cidades foram aterrados, retificados, canalizados, assoreados e/ou perderam a qualidade de suas águas. Esse processo de urbanização, ocorreu de forma “tardia” na Região Norte, cujas capitais passam pelo mesmo processo de perturbação dos ambientes fluviais. No caso de Manaus (AM), isso ocorreu como consequência do processo de urbanização não planejado, onde a maior parte sua rede hidrográfica urbana apresenta alterações de ordem antropogênica. A bacia hidrográfica do Educandos, que se situa integralmente em sítio urbano e tem sua foz no rio Negro, é um exemplo. Esta bacia sofreu processos de intervenção desde o início da formação do espaço urbano de Manaus, com mudanças mais intensas e profundas nos anos 2000 por meio do Prosamim (Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus), que visava a revitalização dos canais da cidade. Assim, o objetivo principal do trabalho foi compreender as relações de uso e ocupação na bacia e atual estado do ambiente fluvial do Igarapé do Educandos. Além disso buscou-se identificar a qualidade do ambiente fluvial do Igarapé do Educandos; caracterizar as mudanças de uso e ocupação no período de 20 anos (1999 - 2017); avaliar a área de preservação permanente (APP); e propor medidas de melhoria da qualidade do ambiente fluvial. A metodologia consistiu na aplicação do Protocolo de Avaliação Rápida de Rios (PAR-R) em diferentes períodos sazonais de 2020 em 10 pontos representativos do canal principal. Foi realizada análise dos dados censitários referentes aos anos de 2000 e 2010, associados a interpretação do uso e ocupação da terra na bacia e da Área de Preservação Permanente (APP) da rede hidrográfica dos anos de 1999, 2010 e 2017.  As análises permitiram o estabelecimento de propostas para mitigar os principais impactos que afetamo ambiente fluvial. O monitoramento via PAR-R gerou a nota de 10,24 para o canal principal, o que o caracteriza como em bom estado, durante o período úmido. No período seco a nota foi de 9,57, classificando o estado do rio como regular. As notas mais baixas foram registradas nos pontos atingidos pelas obras do Prosamim. Considerando-se o intervalo de 1999 a 2017, o crescimento da área urbana foi de 108,25 %. Em contrapartida, os dados censitários revelaram que entre 2000 e 2010 os canais da bacia deixaram de ser o principal destino de esgoto e resíduos sólidos da população que habitava as margens dos canais, assim como deixaram de ser fonte primaria de água. As medidas propostas são calcadas na recuperação e revitalização do ambiente fluvial, como a instalação e fiscalização de Estação de Tratamento de Efluente Industrial, retirada do cimento das margens e leito e plantio de espécimes vegetais locais. Acredita-se que o PAR-R associado à análise da ocupação da bacia permitiu uma compreensão mais ampla da dinâmica territorial, pois contribui na compreensão da relação entre rio, t população e poder público.

Palavras-chave: Rios urbanos; Igarapé; uso e ocupação da terra; Protocolo de Avaliação Rápida de Rios; monitoramento.

Banca examinadora:

Dra. Rosangela Garrido Machado Botelho (DGC/IBGE) - Orientadora

Dra. Julia Celia Mercedes Strauch (ENCE/IBGE) - Coorientadora

M. Sc. Therence Paoliello de Sarti (DGC/IBGE)

Dr. Paulo de Tarso Amorim Castro (UFOP)

Gerência do Lato Sensu

Endereço: Rua André Cavalcanti, 106 - Bairro de Fátima - CEP 20231-050 - Rio de Janeiro