logotipo ence

 

Segundo semestre de 2020.
Núcleo ENCE Covid-19
Agenda de Eventos Externos
Horário
Seloge.
processo_seletivo.
SAS
1/7 
start stop bwd fwd

 
 
 
atividades
 
 
 
 
ico rbe.fw
 
 

Defesa de Dissertação de Letícia Baptista de Paula Barros

 ESCOLA NACIONAL DE CIÊNCIAS ESTATÍSTICAS
Pós-Graduação em População, Território e Estatísticas Públicas

Defesa de Dissertação

A Escola Nacional de Ciências Estatísticas convida para a defesa da Dissertação de Mestrado intitulada: “Determinantes do tempo de aleitamento materno exclusivo – Brasil (1986-2006)”

Aluna: Letícia Baptista de Paula Barros
Orientadora: Angelita Alves de Carvalho
Coorientador: Gustavo da Silva Ferreira

Data: 29 de junho de 2017 – Quinta-Feira
Horário: 10h00m
Local: Ence - Rua André Cavalcanti, 106 – Sala 306 – Bairro de Fátima

Resumo da Dissertação:  O leite materno é um alimento fundamental na dieta das crianças, pois à ele é atribuído inúmeros benefícios para as mães e especialmente para os filhos, como por exemplo a proteção contra doenças comuns na infância. A recomendação é que o leite materno seja ofertado de forma exclusiva até os seis meses de vida da criança. No entanto esta prática muitas das vezes é interrompida precocemente por diversos fatores.  Assim as questões de pesquisa que orientaram esse trabalho foram: Quais os determinantes socioeconômicos e demográficos do tempo de aleitamento materno exclusivo? O comportamento desses determinantes tem mudado ao longo do tempo? Nesse sentido, este estudo investigou os principais determinantes do desmame precoce, fazendo uma comparação da evolução do tempo de aleitamento materno exclusivo entre as décadas de 80, 90 e 2000 no Brasil. Foram utilizados os dados das pesquisas de demografia e saúde realizadas no país nos anos de 1986, 1996 e 2006. Os resultados foram obtidos a partir da aplicação do método análise de sobrevivência, em que as probabilidades do tempo de aleitamento materno foram analisadas a partir de curvas de Kaplan-Meier referentes à características maternas, à fatores socioeconômicos e demográficos, à prestação dos serviços de saúde e relativas à criança. Posteriormente, foram ajustados modelos de Cox, os quais geraram estimativas dos riscos de desmame associado à estas variáveis. Apesar das limitações metodológicas na comparação dos dados entre as décadas, os resultados indicam que o tempo de aleitamento materno exclusivo tem aumentado no Brasil e o percentual de crianças menores de 6 meses sendo amamentadas exclusivamente passou de 12,5% para 49,7%.  Dentre os determinantes encontrados foi observado em 2006 que, por exemplo, o nº desejável de consultas pré-natal, o não uso da chupeta e a não ingestão de outros alimentos estão significativamente associados ao menor risco de desmame precoce. Conclui-se que que embora tenha ocorrido uma melhoria acerca do tempo de aleitamento materno exclusivo, é necessário a contínua intervenção do poder público no que diz respeito ao estímulo à amamentação exclusiva.

Banca examinadora:
Dra. Angelita Alves de Carvalho (Ence/IBGE) - Orientadora
Dr. Gustavo da Silva Ferreira (Ence/IBGE) – Coorientador
Dra. Maria Luiza Guerra de Toledo (Ence/IBGE)
Dr. Cristiano Siqueira Boccolini (Fiocruz)

                            
Coordenação de Pós-Graduação
CÉSAR MARQUES

Endereço: Rua André Cavalcanti, 106 - Bairro de Fátima - CEP 20231-050 - Rio de Janeiro