logotipo ence

 

processo_seletivo.
SAS
Seminario
Seloge.
Horario
PTEP
Ence 60 anos
1/7 
start stop bwd fwd

 isi2017
 
 
 Vesamp

Defesa de Monografia de Alice Helena Ricardo da Silva

 Escola Nacional de Ciências Estatísticas

Pós-Graduação Lato Sensu em Análise Ambiental e Gestão do Território

Apresentação de Monografia

A Escola Nacional de Ciências Estatísticas A Ence convida para a apresentação da monografia final do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Análise Ambiental e Gestão do Território intitulada: “Condições urbanas e ambientais para identificação das áreas vulneráveis a emergência de doença de chagas ”.

Aluna: Alice Helena Ricardo da Silva
Data: 31 de março 2017 – sexta-feira
Horário: 14h00m
Local: Ence - Rua André Cavalcanti, 106 – Sala 303 – Bairro de Fátima

Resumo: As doenças de transmissão vetorial são aquelas cujo ciclo compreende uma dinâmica de interação entre o agente etiológico, o hospedeiro vertebrado, o vetor e o ambiente. A diversidade de patógenos mantidos na natureza por ciclos que envolvem hospedeiros vertebrados e vetores artrópodes hematófagos acarreta em uma expressiva carga de morbidade e mortalidade, principalmente em países pobres. Nesse sentido tais doenças estão relacionadas às questões econômicas e sociais, uma vez que são causas de ausência escolar, aumento da pobreza, diminuição da produtividade econômica e sobrecarga dos sistemas de saúde. A distribuição das doenças de transmissão vetorial é determinada por dinâmicas complexas, com a presença de diferentes condicionantes biológicos, ecológicos e na sua transmissão, adquirindo caráter altamente heterogêneo, mesmo em pequenas regiões. Parte das doenças transmitidas por vetores é reconhecida pela Organização Mundial de Saúde como negligenciadas, e dentre estas, está a doença de Chagas. A doença de Chagas é uma enfermidade parasitária, causada pelo protozoário flagelado Trypanosoma cruzi, ordem Kinetoplastida e família Trypanosomatidae. É transmitida por insetos da subfamília Triatominae (Hemiptera: Reduviidae), que atualmente totalizam 149 espécies descritas. Sendo diversos os fatores que influenciam na emergência e reemergência da doença, a relevância deste projeto está na importância da identificação de como as condições ambientais e de vulnerabilidade determinam em escala local a distribuição dos casos de doença de Chagas. Especificamente, busca-se analisar a vulnerabilidade dos municípios deste frente a esse agravo no Estado do Pará, Brasil. Para as análises foi construído um banco de dados secundários com as variáveis: número de casos, proporção de desmatamento, Índice de Gini e proporção de casas por tipo de material de material de construção. As unidades de análise foram os municípios do Estado do Pará. Foi observado que há uma agregação espacial para todas as variáveis ambientais e sociais selecionadas para os anos de 2001, 2005, 2009 e 2014, sugerindo uma aglomeração em duas mesorregiões do estado: Nordeste Paraense e Metropolitana de Belém. Os casos de doença de Chagas não apresentaram agregação espacial em todos os anos analisados, mas somente para os anos mais recentes (2009 e 2014), quando há maior quantidade de notificações para as mesmas mesorregiões. Pode-se concluir que as mesorregiões Nordeste Paraense e Metropolitana de Belém são as mais vulneráveis à transmissão da Doença de Chagas, sendo estas as áreas prioritárias para a implantação de estratégias de vigilância ambiental e epidemiológica.

Banca examinadora:
Dr. César Augusto Marques da Silva (IBGE/Ence/CPG) – Orientador
Dra. Angelita Alves de Carvalho (IBGE/Ence/CPG)
Dra. Teresa Cristina Monte Gonçalves (FIOCRUZ)

Gerência do Lato Sensu

Endereço: Rua André Cavalcanti, 106 - Bairro de Fátima - CEP 20231-050 - Rio de Janeiro