logotipo ence

 

Segundo semestre de 2020.
Núcleo ENCE Covid-19
Agenda de Eventos Externos
Horário
Seloge.
processo_seletivo.
SAS
1/7 
start stop bwd fwd

 
 
 
atividades
 
 
 
 
ico rbe.fw
 
 

Defesa de Monografia de Adriano Oliveira da Silva

 Escola Nacional de Ciências Estatísticas

Pós-Graduação Lato Sensu em Análise Ambiental e Gestão do Território

Apresentação de Monografia

A Escola Nacional de Ciências Estatísticas A Ence convida para a apresentação da monografia final do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Análise Ambiental e Gestão do Território intitulada: “Condições Ambientais da trilha do Peito do Pombo por meio do Protocolo de Avaliação Rápida na Área de Proteção Ambiental do Sana (Macaé- RJ)”.

Aluno: Adriano Oliveira da Silva
Data: 29 de março de 2017 – quarta-feira
Horário: 10h00m
Local: Ence - Rua André Cavalcanti, 106 – Sala 306 – Bairro de Fátima

Resumo: O uso público nas Unidades de Conservação (UCs) é uma atividade que vem crescendo no Brasil e no mundo devido à busca das populações urbanas por áreas onde a natureza ainda se mantém preservada. Nesse contexto as UCs são de grande importância para a conservação dos recursos naturais no planeta. Em algumas UCs são desenvolvidas atividades de uso público, como recreação, práticas educativas e lazer. Contudo, se as atividades não forem planejadas respeitando as fragilidades e as potencialidades da área visitada, pode vir a comprometer o estado de conservação desses espaços, principalmente o estado das trilhas. A presente pesquisa tem como objetivo avaliar as condições ambientais de parte da trilha do Peito do Pombo na Área de Proteção Ambiental do Sana (Macaé-RJ), visando ao planejamento de medidas que possibilitem a conservação e manejo de áreas protegidas. O trecho da trilha escolhido dá acesso às principais áreas para banho, como poços e cachoeiras e às áreas para contemplação e encontra-se consolidado. Em contrapartida, este mesmo trecho também é utilizado de diversas formas pelos moradores do vale. Há também transporte de material de construção civil com burros e mulas ao longo da trilha, captação de água, trânsito de motocicletas, cavalos, entre outros. Todos esses usos podem ser um conflito para o desenvolvimento da atividade ecoturística. Para a realização da pesquisa, foi aplicado o Protocolo de Avaliação Rápida de Trilhas de Montanha (PAR-TM), onde são estabelecidos parâmetros para avaliação do grau de degradação da trilha, considerando aspectos como: características do leito, presença e estado da vegetação nas bordas da trilha, presença de lixo, degradações ao longo da trilha, feições erosivas, entre outros aspectos que possam influenciar na qualidade do ambiente e na experiência do usuário. O parâmetro avistamento de fauna foi considerado e uma proposta de sua avaliação foi apresentada. Além disso, elaborou-se um perfil de elevação da trilha, no qual se verifica a declividade da mesma e de seus trechos. O PAR-TM foi aplicado em campo em julho de 2016, sendo a trilha dividida em oito trechos em função das diferenças observáveis nas condições ambientais. Verificou-se que a trilha apresenta trechos com presença de lixo, áreas degradadas, pichações nas placas e na vegetação, falta de estrutura de manejo, feições erosivas em seu leito, indicando a necessidade de recuperação e de adoção de técnicas de manejo, como a instalação de corrimão e guarda-corpo em pontos onde há risco de queda do usuário, incorporação de matéria orgânica no leito e alteração no traçado da trilha onde há erosão da borda. A partir da análise do PAR-TM, observou-se que o sétimo trecho apresenta os maiores impactos globais, sendo considerado ruim, já os outros trechos foram definidos como regulares e bons. Verificou-se, também, em relação à qualidade do solo, que o leito da trilha está sofrendo com o intenso pisoteio e com a falta de vegetação, favorecendo o escoamento superficial concentrado e a formação de feições erosivas. A técnica de pontos de erosão foi aplicada para caracterização dos processos erosivos do piso. Por fim, a trilha foi categorizada em diferentes sistemas de classificação de tipos de trilha, sendo considerada linear, de curta distância e moderada, autoguiada e semipesada. Conclui-se que a partir da metodologia proposta, foi possível realizar um diagnóstico das condições da trilha, tanto quanto aos impactos observados, quanto à experiência do usuário, fundamentais para o desenvolvimento da atividade turística e a conservação da APA.

Banca examinadora:
Dra. Rosangela Garrido Machado Botelho (IBGE/DGC/CREN) - Orientadora
Dr. Fabio Giusti Azevedo de Britto (IBGE/Ence/CPG)
Dra. Nadja Castilho da Costa (UERJ)

Gerência do Lato Sensu

Endereço: Rua André Cavalcanti, 106 - Bairro de Fátima - CEP 20231-050 - Rio de Janeiro