logotipo ence

 

Seloge.
Pesquisa com Egressos
Seminario.
processo_seletivo.
SAS
Horario
1/6 
start stop bwd fwd

 
 
 Cartaz20AnosPPG Ence
 

Defesa de Monografia de Raphael Villela Almeida

 Escola Nacional de Ciências Estatísticas

Pós-Graduação Lato Sensu em Análise Ambiental e Gestão do Território

Apresentação de Monografia

A Escola Nacional de Ciências Estatísticas A Ence convida para a apresentação da monografia final do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Análise Ambiental e Gestão do Território intitulada: “Mineração de cobre em Canaã dos Carajás, desenvolvimento e impactos socieconômicos: para quem?"

Aluno: Raphael Villela Almeida
Data: 15 de março de 2016 – Terça-feira
Horário: 10h00m
Local: Ence - Rua André Cavalcanti, 106 – Sala 306 – Bairro de Fátima

Resumo : Em razão do enorme potencial mineralógico existente em seu subsolo, porém ainda pouco explorado, a Região Norte consolida-se como o território privilegiado para a reprodução das atividades relacionadas à indústria extrativa mineral, cuja lógica é a de integrar a produção mineral nacional aos principais mercados consumidores internacionais, em especial, o chinês. Esta lógica visa o fortalecimento tanto dos indicadores macroeconômicos, quanto do superávit da balança comercial do país (BECKER, 2001; COELHO et.al., 2010). Em 2014, o estado do Pará foi responsável por 27,68% da exportação mineral nacional, atrás apenas de Minas Gerais que respondeu, por sua vez, com 45,23%. A mineração paraense está concentrada à Sudeste do estado, com destaque para os municípios mineradores de Parauapebas e Canaã dos Carajás, respectivamente o maior e o segundo maior produtores estaduais, ambos situados na província mineral de Carajás e localizados na microrregião de Parauapebas. O primeiro é o maior produtor de minério de ferro do país, enquanto que o segundo é o principal produtor de minério de cobre. (IBRAM, 2015). Até o ano de 1994, Canaã dos Carajás fazia parte do município de Parauapebas. Entretanto, após a realização de um plebiscito local, Canaã dos Carajás finalmente emancipou-se de Parauapebas (IBGE, 2014). Em 2002, a mineradora Vale inicia a instalação da maior mina de cobre do Brasil, a mina do Sossego, que entra em operação no ano de 2004. Desde então o município experimenta um profundo processo de transformação econômica, demográfica, social e territorial (CABRAL et. al., 2011; FERNANDES et. al., 2014). Assim, entre 2000 e 2010 a população canaãnense cresceu de 10.992 para 26.716 habitantes. Por sua vez o PIB municipal saltou de R$ 27,757 milhões para R$ 2,118 bilhões (IBGE, 2014). Contudo, somente o valor da produção da mina foi de R$ 1,501 bilhão (VALE, 2010), o que corresponde, portanto, a 70,86% do PIB de Canaã dos Carajás medido em 2010. A despeito do crescimento dos macro indicadores econômicos, é comum que municípios amplamente dependentes mineração apresentem desempenho ruim nos indicadores sociais e ambientais, via de regra, sendo esses territórios submetidos aos ônus da atividade de exploração mineral e pouco beneficiados com os ganhos diretos do processo. O objetivo deste trabalho consiste em compreender se a exploração do minério de cobre se traduz em melhoria das condições de vida para a população de Canaã dos Carajás.

Banca examinadora:
Dr. Fábio Giusti Azevedo de Britto (IBGE/ENCE/CPG) - Orientador
Dr. Rogério dos Santos Seabra IBGE/ENCE/CPG)
Dra .Letícia de Carvalho Giannela (IBGE/ENCE/CPG)
Dr. Luiz Jardim de Moraes Wanderley (UERJ)

Gerência do Lato Sensu

 

Endereço: Rua André Cavalcanti, 106 - Bairro de Fátima - CEP 20231-050 - Rio de Janeiro