logotipo ence

 

Dia do Estatístico.
Recomendações.
Tardes Culturais.
Seloge.
Processo Seletivo 2022.
Processo Seletivo 2022.
Livro 20 anos PPG
Núcleo ENCE Covid-19
Agenda de Eventos Externos
SAS
01/10 
start stop bwd fwd

 
 
 
atividades
 
 
ungp brazil hub logo md
 
 
ico rbe.fw
 
 

Defesa de Tese de Adriana Maria Dassie

ESCOLA NACIONAL DE CIÊNCIAS ESTATÍSTICAS

Pós-Graduação em População, Território e Estatísticas Públicas

 Defesa de Tese

A Escola Nacional de Ciências Estatísticas convida para a Defesa de Tese de intitulada: Envelhecimento populacional, formação de poupança e aproveitamento da janela demográfica no Brasil: uma perspectiva keynesiana e kaleckiana

 

Aluna: Adriana Maria Dassie

Data: 29 de Abril de 2022 – Sexta-Feira

Horário: 14h00m

Local: Por videoconferência

Resumo Tese: O objetivo principal da tese é fazer uma avaliação de como a formação e alocação de poupança, em um cenário de envelhecimento da população e de implementação de reformas no mercado de trabalho e no sistema previdenciário, impactam as condições de trabalho e de aposentadoria dos trabalhadores. As mudanças ocorridas na estrutura etária da população têm levado a um aumento da população idosa, ou seja, um aumento da razão de dependência idosa. Por outro lado, a população que está em idade ativa já não encontra as mesmas condições de trabalho, os mesmos direitos e garantias, existentes nos anos dourados do capitalismo. Neste período os indivíduos encontravam condições de trabalham que lhes permitiam planejar sua aposentadoria. Tanto as mudanças na estrutura etária quanto a reforma trabalhista, implementada no Brasil em 2017, somados a uma economia que passa por um processo de desindustrialização e de financeirização, não contribuem para que os indivíduos encontrem as condições necessárias e suficientes para perceber um rendimento do trabalho que seja seguro e suficiente para garantir o seu consumo presente assim como, as suas necessidades futuras, na fase da aposentadoria, ou seja completar seu ciclo de vida. O que se observou é que a reforma trabalhista, além de não aumentar a oferta de emprego, conforme foi anunciado como motivo de sua realização, tende a aumentar o número de trabalhadores que se encontram em empregos com características de precariedade como, a não contribuição a Previdência Social, trabalho sem carteira assinada, entre outros. Os trabalhadores que se encontram nessas condições de trabalho também estão sujeitos a insegurança previdenciária, causada principalmente pela informalidade do trabalho que não permite renda suficiente para garantir a contribuição mínima necessária para a aposentadoria.

Palavras-chave: Formação de Poupança. Trabalho Precário. Insegurança Previdenciária.

Banca examinadora:

Dra. Angelita Alves de Carvalho (ENCE/IBGE) - Orientadora

Dr. Miguel Antônio Pinho Bruno (ENCE/IBGE) - Coorientador

Dra. Ana Carolina Soares Bertho (ENCE/IBGE)

Dra. Letícia de Carvalho Giannella (ENCE/IBGE)

Dra. Luana Junqueira Dias Myrrha (UFRN)

Dra. Denise Lobato Gentil (UFRJ)

Coordenação de Pós-Graduação

Angelita Alves de Carvalho

Endereço: Rua André Cavalcanti, 106 - Bairro de Fátima - CEP 20231-050 - Rio de Janeiro